topo

NOSSO BLOG

Acesse nossos conteúdos e acompanhe nossas novidades.

Postado em 13 de Maio de 2021 às 13h24

Posicionamento de alto risco: os casos Madero e Giraffas

Artigos (36)Imagem Corporativa (20)Vagner Dalbosco (13)

Com um consumidor-cidadão mais conectado e engajado em causas, cresce também a necessidade das marcas se posicionarem sobre temas que movimentam a opinião pública. Pautas como sustentabilidade, diversidade e inclusão, entre outras, têm sido incorporadas, no discurso e na prática, por um número cada vez maior de empresas. Algumas por maturidade e uma cultura organizacional sintonizada com esta sociedade emergente; outras, por obrigação ou sobrevivência. Independente da motivação, é um caminho sem volta.

Mas o posicionamento das marcas sobre alguns temas demandam cuidado redobrado, especialmente quando envolve política e governo em um País sob tensão social, política e econômica como o Brasil. É crise de imagem na certa!

Para ilustrar, esse #tbt resgata dois casos ocorridos em março de 2020.

Logo no início da pandemia da Covid-19, várias marcas sofreram boicotes porque seus donos ou sócios fizeram declarações públicas favoráveis ao governo federal e contrárias a algumas medidas restritivas indicadas por organizações de saúde.

O CEO da rede Madero, Junior Durski, gravou um vídeo criticando o isolamento social e argumentou que o Brasil não poderia parar por 5 ou 7 mil mortes. O conteúdo com a hashtag "MaderoNuncaMais" foi um dos assuntos mais comentados no Twitter, e as menções negativas à marca chegaram a 63%. No dia seguinte, mesmo após um pedido de desculpas, a marca demitiu 600 funcionários e atingiu 67% de menções negativas. O boicote atingiu as vendas, que foram reduzidas de 400 para 30 refeições por dia somente em uma unidade da marca.

Outro caso foi o da rede Giraffas. O acionista e membro do Conselho de Administração, Alexandre Guerra, foi afastado por seu pai e fundador da empresa, Carlos Guerra, após contestar recomendações da Organização Mundial de Saúde e dizer que quem estava com medo da Covid deveria temer perder o emprego. Carlos Guerra foi a público declarar que a empresa não apoiava nenhum governo e não compartilhava daquela posição. Além disso, ele se comprometeu a não demitir ninguém nos 90 dias seguintes.

#ficaadica 1
A reputação e a imagem pública de uma marca também dependem da postura de seus líderes, o que requer atitudes e comunicação pessoal coerentes com a posição que ocupam.

#ficaadica 2
Há casos em que uma posição manifestada, por si só, não seria problema, mas sim a forma como ela é comunicada.

#ficaadica 3
É fundamental à marcas investirem na preparação de porta-vozes, seja para potencializar a marca, seja para evitar crises como as mencionadas.

E na sua empresa, como o CEO, direção e demais gestores têm atuado, se posicionado e se comunicado?

Vamos conversar?

Veja também

Marca pessoal: como Juliette se tornou um case de sucesso14/10/21 Você não precisa ter assistido ao Big Brother Brasil em 2021 para saber quem é Juliette. A nordestina de 31 anos se tornou um case de sucesso de marca pessoal. Isso não seria uma grande novidade se não fosse pelo fato de que esse fenômeno ganhou proporção quando ela ainda estava no jogo e não tinha noção sobre sua repercussão......

Voltar para Blog

Vagner Dalbosco

Por Vagner Dalbosco
Head da Previu Inteligência | Mestre em Gestão da Informação 
vagner@previuinteligencia.com.br

Liziane Vicenzi

Por Liziane Vicenzi
Colaboradora Previu Inteligência | Mestre em Jornalismo | Doutoranda em Educação 
lizivicenzi@gmail.com

Redação Previu Inteligência